Skip to Content

Blog Archives

Secretário André Clemente e Setor Produtivo do Df se reuniram para Fórum Econômico.”

Secretário André Clemente e Setor Produtivo do Df se reuniram para Fórum Econômico.”
.
.
“A Economia Pós-Pandemia.”🚧🤝🦠📊📈📉🗒.
.
.
.
.

#construcaocivil #construcao #arquitetura #constru #obra #engenhariacivil #engenharia #reforma #projeto #projetos #brasil #casa #asbracodf #ademi#sinduscon #construcaocivil #obrapublica .
Fonte: Secretaria de Economia Distrito Federal.

READ MORE

Mais de R$ 257 milhões para reformar escolas da rede pública

Mais de R$ 257 milhões para reformar escolas da rede pública

Unidades foram preparadas para o retorno das aulas presenciais, que nesta segunda (9) avançou com o início das atividades para o ensino fundamental

FLÁVIO BOTELHO, DA AGÊNCIA BRASÍLIA I EDIÇÃO: CAROLINA JARDON
As obras realizadas nas escolas vão de manutenções de pequeno porte, como troca de quadros e pinturas, a serviços maiores, como troca de telhados e reforma de banheiros | Foto: arquivo Agência Brasília

Os mais de 460 mil estudantes da rede pública de ensino do DF, aos poucos e de forma escalonada, retomam as atividades presenciais em ambientes escolares remodelados e ainda mais bem preparados.

Durante os quase 16 meses em que as 686 escolas ficaram fechadas, o Governo do Distrito Federal (GDF) investiu cerca de R$ 257 milhões em obras, manutenções e requalificações dos espaços pedagógicos.

Os recursos para as melhorias vieram do Programa de Descentralização Administrativa e Financeira (Pdaf), de emendas parlamentares.

Em 2020, aproximadamente R$ 152 milhões foram investidos principalmente a partir de março, mês em que o fechamento das escolas começou. No primeiro semestre deste ano, outros R$ 105 milhões foram destinados às benfeitorias nas escolas.

A retomada das atividades presenciais não significa a paralisação das reformas e manutenções, pelo contrário: de acordo com a Secretaria de Educação (SEDF), mais de R$ 49 milhões do Pdaf já estão garantidos para o segundo semestre deste ano, recursos oriundos do próprio orçamento da SEDF, que estão previstos na Lei Orçamentária Anual (LOA) 2021.

As obras realizadas nas escolas vão de manutenções de pequeno porte, como troca de quadros e pinturas, a serviços maiores, como troca de telhados e reforma de banheiros. Os recursos investidos pelo GDF também serviram para a aquisição de novos equipamentos tecnológicos, como televisões, projetores e roteadores de internet sem fio.

Para a retomada segura das aulas presenciais, dispositivos de higiene também foram instalados nas unidades educacionais para garantir a limpeza de alunos, professores e funcionários e evitar a transmissão do coronavírus, como os lavatórios de mãos, tapetes de higiene e dispensers de álcool em gel.

Desde o início da pandemia, a Agência Brasília acompanha de perto o trabalho de reformas nas escolas da rede pública. Foram mais de 100 matérias publicadas de março de 2020 até agosto de 2021, detalhando as melhorias recebidas e reforçando a importância dos trabalhos para estudantes e a comunidade escolar.

Confira abaixo os links das matérias, organizados em forma de linha do tempo

 

READ MORE

Pesquisa aponta Sergipe com o menor custo da construção civil por m²

” Mesmo com o Índice Nacional da Construção Civil terminando o mês de junho com um crescimento de 2,46%, Sergipe apresentou o custo de R$ 1.245,76. valor abaixo da média nacional de R$ 1.421,87.

Os dados do Índice Nacional da Construção Civil (Sinapi) divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE – apontaram Sergipe como o estado com o menor custo médio por m² na construção civil. O índice, que subiu 2,46% em junho, ficando 0,68 ponto percentual acima da taxa de maio (1,78%) é a maior alta na série histórica com desoneração da folha de pagamento, iniciada em 2013.

Sergipe apresentou o custo de R$ 1.245,76. valor abaixo da média nacional de R$ 1.421,87. Já o custo regional foi de R$ 1.343,47. “Esse valor médio é um índice publicado pelo Sindicato da Indústria da Construção de cada estado e é referente ao custo por m² de área construída com base em itens como material, mão de obra, despesas administrativas e equipamentos”, explica a engenheira civil e a professora da Universidade Tiradentes, Andréa Quaranta.

“Nesse contexto, pode-se afirmar que esse custo está diretamente ligado principalmente ao valor da mão de obra, convenção coletiva menos exigente, que é menor em Sergipe, bem como os custos de transporte e alimentação quando comparado com todos outros estados do Brasil”, acrescenta.

 

De acordo com o IBGE, em janeiro, a construção civil já havia sinalizado um recorde na série histórica, com taxa de 1,99%. O fechamento de 2020 também foi o maior desde 2013, com acumulado de 10,16%.

 

“É válido destacar que esse valor não engloba tudo referente à construção, ou seja, alguns itens como viabilidade, fundações (estudo de solo), projetos, custos indiretos, impostos, paisagismo, entre outros, não entram nesse custo. Assim, pode-se dizer que esse valor é considerado apenas uma estimativa de custo, o que traz uma margem de variação grande quando comparada com um orçamento detalhado, por exemplo”, destaca a docente da Unit.

 

A região Sul, com alta na parcela dos materiais em todos os estados e acordo coletivo no Paraná, ficou com a maior variação regional em junho, 3,80%. As demais regiões apresentaram os seguintes resultados: 1,14% (Norte), 1,92% (Nordeste), 2,83% (Sudeste) e 1,96% (Centro-Oeste). Já os  custos regionais, por metro quadrado, foram: R$ 1.382,99 (Norte); R$ 1.343,47 (Nordeste); R$ 1.482,71 (Sudeste); R$ 1.493,35 (Sul) e R$ 1.379,39 (Centro-Oeste).

SINAPI é uma produção conjunta do IBGE e da Caixa Econômica Federal que tem por objetivo a produção de séries mensais de custos e índices para o setor habitacional, e de séries mensais de salários medianos de mão de obra e preços medianos de materiais, máquinas e equipamentos e serviços da construção para os setores de saneamento básico, infraestrutura e habitação.

Assessoria de Imprensa | Unit

 

READ MORE

As ações que perdem com a alta dos preços de materiais de construção Para especialista, o segundo semestre deve ser ainda mais desafiador.

A construção civil está entre os setores mais afetados pela pandemia da covid-19. (Foto: Alf Ribeiro/Shutterstock)
Em 12 meses, o custo de materiais e equipamentos de construção registrou alta de 32,92%
As consequências podem ser observadas na performance das construtoras e incorporadoras, especialmente após a pandemia do coronavírus
Das 24 empresas listadas na Bolsa que atuam no setor de construção civil, 16 estão com resultados negativos neste ano

O resultado do Índice Nacional de Custo de Construção, divulgado no dia 22 de julho, indicou o maior aumento recorde no custo de materiais do segmento desde o início do plano Real, em 1994. Para as empresas do setor de construção civil, a situação pode indicar um cenário pouco atrativo para investidores.

LEIA TAMBÉM
Em 12 meses (até junho deste ano), o custo de materiais e equipamentos de construção registrou alta de 32,92%, segundo o índice apurado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).

As consequências podem ser observadas na performance das construtoras e incorporadoras, especialmente após a pandemia do coronavírus. Das 24 empresas listadas na Bolsa que atuam no setor de construção civil, 16 estão com resultados negativos neste ano.

Em 2021, a Viver Incorporadora e Construtora (VIVR3), a Rossi Residencial (RSID3) e a Alphaville SA (AVLL3) alcançam altas de 249,56%, 89,74% e 14,45%, respectivamente. No mesmo período, Helbor (HBOR3), Eztec (EZTC3) e Mitre (MTRE3) registram quedas de 36,92%, 33,70% e 33,60%, respectivamente.

5 empresas da construção civil que mais subiram no ano
Ativo Nome Último fechamento O papel em 2/8/21 Variação no ano
VIVR3 Viver R$ 3,95 0,1416 249,56%
RSID3 Rossi R$ 12,58 -1,02% 89,74%
AVLL3 Alphaville R$ 27,01 -1,78% 14,45%
RDNI3 RNI R$ 12,35 -0,40% 6,19%
DIRR3 Direcional R$ 12,96 0,0197 4,01%
Fonte: Broadcast

Para analistas, a performance das ações já leva em conta o aumento dos custos, que devem subir ainda mais com a expectativa de alta da inflação para o final do ano e 2022.

5 empresas da construção civil que mais cairam no ano
Ativo Nome Último fechamento Variação em 2/8/21 Variação no ano
HBOR3 Helbor R$ 7,67 -1,16% -36,92%
EZTC3 Eztec R$ 28,08 2,11% -33,70%
MTRE3 Mitre R$ 10,87 -0,46% -33,60%
TCSA3 Tecnisa R$ 6,90 -2,13% -30,93%
PLPL3 Plano & Plano R$ 5,30 -2,57% -28,28%
Fonte: Broadcast

READ MORE