“Defendemos uma política com foco no planejamento urbano e no combate ao crime organizado da grilagem”, salientou o deputado distrital Leandro Grass (PV), candidato ao Governo do Distrito Federal (GDF). Se eleito, prometeu criar um Comitê Intersetorial de Tratamento de Grilagem de Terras. A promessa foi feita durante o Encontro com Candidatos ao Governo do Distrito Federal: Compromisso com a construção civil – Eleições 2022, promovido em conjunto pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil do Distrito Federal (Sinduscon-DF); a Associação de Empresas do Mercado Imobiliário do Distrito Federal (ADEMI DF); e a Associação Brasiliense dos Construtores (ASBRACO) na terça-feira (13/09), em Brasília, com transmissão ao vivo pelos canais oficiais do Sinduscon-DF e da Ademi DF no YouTube.

 

Segundo o candidato, a ideia é utilizar ferramentas, informações ambientais e todos os dados possíveis para uma intervenção imediata no processo de grilagem e fazer a população entender os prejuízos de longo prazo do desordenamento territorial e dos danos sociais e ambientais. “A água do DF pode acabar”, alertou. Em resposta ao presidente da Ademi DF, Eduardo Aroeira, o candidato reforçou necessidade de estabelecer uma estrutura de combate à grilagem, articulada com a segurança pública, com o DF Legal e com os órgãos ambientais.

 

Mediado pelo consultor político Marcelo Moraes, o evento ouviu as propostas de quatro dos seis candidatos mais bem colocados nas pesquisas de opinião. Por motivo de agenda, as candidatas Keka Bagno e Leila declinaram do convite.

 

Falando sobre a execução de obras públicas no DF, Leandro Grass se manifestou contrário ao uso do pregão eletrônico para a contratação de obras e serviços de engenharia. “Entendemos que a contratação por pregão eletrônico favorece empresas aventureiras. É importante estabelecer e priorizar o modelo da concorrência e, principalmente, orientar as empresas para a qualidade e para a consistência técnica dos projetos”, disse Grass. Ele também defendeu que o poder público leve em consideração a tabela de preços em vigor nos reajustes e termos aditivos, de forma a ter obras concluídas e de qualidade, que satisfaçam os interesses da população.

 

Ele ainda se comprometeu a implantar o modelo bem-sucedido de PPPs de permuta das terras públicas, utilizado em Belo Horizonte (MG), para que as empresas se responsabilizem pela construção de escolas, de unidades básicas de saúde e de hospitais, inclusive assumindo a manutenção por alguns anos.

 

Meio Ambiente – Seu governo propõe mudança de comportamento em regras, com simplificação e desburocratização, que vão orientar os processos administrativos. “Temos compromisso com a desburocratização, com a simplificação das regras e com a transparência acima de tudo, para que o ambiente de negócios possa ser saudável e republicano”.

 

O candidato informou ao presidente do Sinduscon-DF, Dionyzio Klavdianos, que é absolutamente favorável ao IPTU Verde e, se eleito, vai implementar o imposto para incentivar as práticas sustentáveis e ambientalmente corretas nos empreendimentos, assim como incentivar o isolamento econômico ecológico atrelado, inclusive, à política de planejamento urbano.

 

Sobre as áreas de transbordos de resíduos sólidos, ressaltou a oportunidade para atrair investimentos para o tratamento adequado desses resíduos e conseguir amenizar o dano ambiental.

 

Obras Públicas – Se eleito, Leandro Grass destacou ao presidente da Asbraco, Afonso Assad, a importância de trabalhar questões referentes à mobilidade urbana. “Nosso programa de governo prevê uma verdadeira revolução no sistema de mobilidade, incluindo a mudança do modelo de gestão, de fiscalização e de operação, incluindo também os investimentos”. Sobre os investimentos, disse que já há projetos preparados e com recursos para obras.

 

Em relação à saúde, disse que a prioridade são as obras de pequeno porte, as unidades básicas de saúde, os centros de referência, e a reforma e ampliação de hospitais já existentes. No que diz respeito à educação, mencionou que há recursos para investir em novos equipamentos educacionais, não só em escolas de ensino fundamental e médio, mas, também em creches públicas e escolas técnicas. Na área cultural, ressaltou a perspectiva de investimento maciço em energias renováveis, gestão de resíduos sólidos, especialmente energia solar.

 

Sobre drenagem das águas pluviais do DF, afirmou que sua gestão vai prever investimentos para evitar alagamentos. Já sobre Licenciamento Ambiental, disse que pretende capacitar o Instituto Brasília Ambiental (Ibram) para que possa contribuir diretamente para o desenvolvimento econômico da cidade, com sustentabilidade e responsabilidade, mas com menos burocracia.

 

Sandra Bezerra
Assessoria de Comunicação do Sinducon-DF, Ademi DF e Asbraco